Topo
Jean Wyllys

Jean Wyllys

Categorias

Histórico

A infecção que mata

Jean Wyllys

27/03/2019 05h00

Imagem: Suamy Beydoun/Agif/Estadão Conteúdo

Mesmo perplexos, ainda em meio a dor e às lágrimas e apenas começando o luto, devemos refletir sobre o que há de comum entre os assassinos que perpetraram o massacre na escola em Suzano, São Paulo (2019); os que atacaram as duas mesquitas que abrigavam muçulmanos na Nova Zelândia (2019); o que abriu fogo contra judeus que rezavam numa sinagoga de Pittsburgh, Pensilvânia (2018); o que disparou contra pessoas em frente a um restaurante localizado numa região de frequência LGBT em Toronto, no Canadá (2018); e entre os que mandaram executar e os que executaram Marielle Franco em uma emboscada numa rua do Rio de Janeiro (2018); sem contar o assassino das 12 meninas na Escola Tasso da Silveira em Realengo, Rio de Janeiro (2011).

O que há de comum entre todos esses assassinos é a 1) frequência em fóruns (conhecidos como "chans") na deep web (espécie de submundo do crime na internet), 2) a adesão a teorias conspiratórias, 3) o consumo de fake news, 4) um desprezo à leitura e ao conhecimento aliado a uma inveja da intelectualidade, 5) a propagação de discursos de ódio contra minorias étnicas, religiosas e sexuais historicamente difamadas, 6) o tesão por armas de fogo e 7) o culto às lideranças políticas midiáticas que aspiram ao fascismo, como Donald Trump e Jair Bolsonaro.

Revanche da extrema-direita

O que há de comum entre os assassinos que chocaram o mundo com sua crueldade é o fato de serem de extrema-direita! Sim, apesar da relutância de boa parte da imprensa, sobretudo na América Latina, em reconhecer esse fato, devido aos interesses políticos e econômicos de seus donos, a verdade é que esses massacres representam a ascensão da extrema-direita em todo mundo: uma espécie de revanche ressentida e violenta diante das conquistas políticas e culturais dos movimentos LGBT, negro, indígena e feministas nos últimos anos.

LEIA TAMBÉM: Como podemos entender e tratar a sociedade doente que se instalou no Brasil

Homofóbica, misógina, racista, xenófoba, antissemita, islamofóbica e supremacista (ou seja, inimiga do reconhecimento da dignidade humana e da cidadania plena das mulheres em geral, LGBTs, negros, imigrantes, judeus, muçulmanos e indígenas), a extrema-direita tem conquistado terreno nos meios de comunicação de massa, nas redes sociais digitais e nas casas legislativas, inclusive rompendo cinturões sanitários que democracias mais fortalecidas como as dos EUA, Canadá, França, Espanha e Reino Unido construíram contra ela. Em alguns lugares do antigo terceiro mundo, como no Brasil e nas Filipinas, ela tem se associado a organizações criminosas para-militares e mafiosas que controlam territórios geográficos, como, por exemplo, as milícias e algumas igrejas neopentecostais.

Por que essa violência não é contida? A resposta é simples

Dessa maneira, mesmo quando não se torna hegemônica politicamente, como no caso da eleição de Bolsonaro e outros fascistas do PSL no Brasil, a extrema-direita consegue infectar todo o corpo social, produzindo uma violência letal na ponta, principalmente contra os que já são historicamente mais vulneráveis. Para ficarmos apenas em exemplos de nosso país em agonia este ano, lembremos do cabo da polícia militar que, no Rio de Janeiro, espancou dois funcionários de uma lanchonete (tendo sido especialmente cruel com a mulher que atendia no balcão) apenas porque seu lanche não fora o que encomendara, e o homem que quase matou de pancadas a catadora de sucatas em Serrana, São Paulo, pelo simples fato de esta ter recusado seu assédio.

Como toda essa violência pode ser perpetrada? Por que ela ainda não foi contida? Ora, a resposta é simples: enquanto esse horror estiver circunscrito aos que a filósofa Hannah Arendt chama de grupos historicamente "difamados", nenhuma providência séria e eficaz será tomada para contê-lo de fato, nem cassações de mandatos de políticos fascistas por conselhos de éticas nas casas legislativas nem prisões preventivas de quem anuncia em fóruns na internet a intenção de perpetrar atentados ou assassinar pessoas públicas, tampouco aplicações de pesadas multas a lideranças religiosas e políticas que propagam discursos de ódio mais a suspensão de seus canais de comunicação.

Mas como esperar que autoridades como a desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Marília Castro Neves, o juiz Federal Marcelo Bretas, o procurador Deltan Dallagnol, o ministro Sergio Moro, os parlamentares do PSL e o presidente da República, Jair Bolsonaro, façam alguma coisa para conter a escalada da violência contra minorias se são eles mesmos os estimuladores dessa violência e os propagadores das fakes news que a "justificam"? Essas autoridades não são republicanas: antes representam os tentáculos dessa extrema-direita monstruosa nos poderes da república.

Qual o papel da Polícia Federal nesses massacres?

Se a Polícia Federal não estivesse eivada de homofobia, misoginia e anti-intelectualidade e agisse republicanamente, que é seu dever, teria evitado o massacre de Suzano, pois, tanto a professora feminista Lola Aronovich quanto eu já havíamos denunciando reiteradas vezes – e com elementos que permitiam, no mínimo, um monitoramento – os fóruns na deep web de onde saíram os assassinos. A prova mesma de que a PF não levava a sério as denúncias é que batizou a operação que conduziu à prisão de um dos supremacistas em 2011 de "Bravata". A "bravata" negou a si mesma já em 2011 mesmo, quando um fundamentalista cristão saído do fórum massacrou 12 meninas em Realengo, subúrbio do Rio.

LEIA TAMBÉM: Conheça Lola, a maior delatora de misoginia na internet 

Mas este massacre mudou alguma coisa na postura da PF, das polícias civis e militares, do Ministério Público e do Judiciário? Ele impediu que lideranças evangélicas fundamentalistas, parlamentares e candidatos nas últimas eleições continuassem a propagar discursos de ódio contra minorias? A reposta a essas perguntas é a foto publicada em seu perfil numa rede social por um dos assassinos de Suzano, exibindo uma arma antes de abrir fogo contra estudantes e professores da escola.

Sim, a ineficácia das polícias em monitorar e conter os potenciais assassinos que se reúnem em fóruns virtuais anônimos tem a ver com falta de recursos também. Mas não estou convicto de que esta seja a principal explicação. É preciso termos no horizonte a possibilidade de que há policiais civis, militares e federais, bem como milicianos, frequentando os fóruns e instruindo os assassinos. Como identificar e deter esses colaboradores? O que as corregedorias das polícias têm feito em relação a isso? Nada que a gente saiba! O mais provável é que oficiais e chefes das polícias comunguem da visão de mundo dos potenciais assassinos e achem que gays, lésbicas, feministas, indígenas, ativistas de direitos humanos e não-cristãos não são cidadãos nem merecem o direito à vida. O desejo expresso da desembargadora Marília Castro Neves, num grupo de magistrado, de que eu fosse "profilaticamente" executado é só mais uma prova dessa comunhão. A desembargadora segue impune e proferindo discursos de ódio.

Arte UOL

Como atuam as fake news e os fóruns de ódio na internet

Já disse e vou repetir: nenhuma investigação sobre o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes estará completa se não houver um foco também nas conexões entre as milícias de onde saíram os sicários, os fóruns de ódio na internet e a rede de propagação de fake news envolvendo autoridades religiosas, do Legislativo e do Judiciário.

Vamos torcer para que, agora que essa extrema-direita decidiu incluir, entre seus alvos, ministros do Supremo Tribunal Federal e o presidente da Câmara dos Deputados, alguma coisa eficaz seja feita contra ela ou para contê-la em sua sanha antidemocrática e assassina.

Vamos torcer para que os que estavam até agora lavando as mãos com o sangue das minorias consigam, depois de também se tornarem alvos, deter a infecção antes que ela se torne generalizada e mate o corpo social em questão de tempos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Jean Wyllys é escritor, jornalista, mestre em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia, criador, roteirista e apresentador do Cinema em Outras Cores e ativista de direitos humanos. LGBT com orgulho de si, exerceu dois mandatos como deputado federal e é cidadão do mundo.

Sobre o blog

Um blog que trata das diferentes expressões das políticas, identidades, afetos e artes que nascem das ou impactam as relações humanas. E também os espaços e ambientes em que estas se dão.